| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL DE ITUPORANGA
Desde: 29/06/2013      Publicadas: 52      Atualização: 20/02/2017

Capa |  Especial  |  Manchetes  |  Noticias  |  Tecnologia  |  Turismo


 Especial

  20/02/2017
  0 comentário(s)


Com safra recorde em SC, produtores de cebola reclamam de preço baixo Com 45 toneladas por hectare, preço foi de R,50 ao quilo a R$ 0,60. Produtores vão retardar venda até março, para conseguir valor maior.

Com cerca de 600 mil toneladas de cebola, a safra 2017 do alimento em Santa Catarina bateu recordes de colheita. Entretanto, produtores reclamam da queda vertiginosa dos preços e de concorrência desleal com o produto importado da Holanda, como mostrou o Jornal do Almoço.

Com safra recorde em SC, produtores de cebola reclamam de preço baixo Com 45 toneladas por hectare, preço foi de R,50 ao quilo a R$ 0,60. Produtores vão retardar venda até março, para conseguir valor maior.

Santa Catarina é o maior produtor de cebola do país, responsável por um terço da produção nacional.  Apenas em Ituporanga, no Vale do Itajaí, a safra passou de uma média de 20 toneladas por hectare em 2016 para 45 toneladas por hectare neste ano. Já o preço foi de R,50 pelo quilo para R$ 0,60.

"O preço tá menos da metade. Nós viemos de várias safras difíceis e queríamos pelo menos um real para cima, para recuperar as perdas dos outros anos", disse o produtor Geovane Schuhmacher.

Na safra anterior, o excesso de chuva provocou grandes perdas no campo. Muita cebolas tiveram que ser descartadas.

Barracões lotados
Com o preço baixo, a estratégia dos produtores é retardar a venda pelo menos até março, quando a oferta de cebola tende a cair e o valor pago ao produtor deve melhorar.

"Há limitações para o consumo de cebola, trata-se de um tempero, também um consumo como salada, e que as pessoas tradicionalmente não armazenam. Então, não tem muito como ampliar o consumo", disse o engenheiro agrônomo Epagri, Daniel Schmitt.

O presidente da Associação de Produtores de Cebola de Santa Catarina (Aprocesc), Luiz Carlos Laurentino, diz que é preciso de uma atitude política para taxar o preço dos produtos que vem do exterior para o mercado brasileiro.

"Nós temos uma concorrência com a Holanda, que é um lugar que não paga imposto, que o governo subsidia a agricultura, não tem como competir. Precisamos que os nossos políticos façam alguma coisa nesse sentido", disse Laurentino.

  Autor:   RBS NOTICIAS





Capa |  Especial  |  Manchetes  |  Noticias  |  Tecnologia  |  Turismo
Busca em

  
52 Notícias