| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL DE ITUPORANGA
Desde: 29/06/2013      Publicadas: 127      Atualização: 10/01/2019

Capa |  Caderno Feminino  |  Coluna Débora Oliveira  |  Mundo  |  Noticias  |  Saude  |  Turismo


 Coluna Débora Oliveira

  10/01/2019
  0 comentário(s)


Sociopata, será que ele (a) é um?

Sociopata, será que ele (a) é um?
O transtorno de personalidade antissocial (TPA) (português brasileiro) ou perturbação da personalidade antissocial (PPAS) (português europeu), comumente referido como sociopatia, é um transtorno de personalidade descrito no DSM-IV-TR, caracterizado pelo comportamento impulsivo do indivíduo afetado, desprezo por normas sociais e indiferença ou desrespeito pelos direitos e pelos sentimentos dos outros. Frequentemente o indivíduo demonstra também baixa consciência ou sentido de moral associado a um histórico de problemas legais e comportamentos agressivos ou impulsivos. Na classificação internacional de doenças (CID), é chamado de transtorno de personalidade dissocial (Código: F60.2).
Costuma-se distinguir o conceito de distúrbio da personalidade antissocial do conceito de psicopatia. Muitos pesquisadores argumentam que a psicopatia é um distúrbio que se sobrepõe ao TPA, mas é distinto deste.
Na população em geral, as taxas dos transtornos de personalidade podem variar de 0,5% a 3%, subindo para 45-66% entre presidiários.
 
E como identificar um SOCIOPATA
Podemos definir sociopatia como sendo um comportamento hostil, impulsivo e antissocial, que pode ser caracterizado como um transtorno de personalidade. Em geral, os sociopatas não levam em consideração a opinião e os sentimentos dos outros indivíduos e não possuem nenhum tipo de apego ao que chamamos de valores e moralidade. Eles são capazes de simular sentimentos, a fim de manipularem as pessoas. Os indivíduos sociopatas são extremamente antissociais, mas são capazes de forçar e fingir sentimentos, fazendo com que pareçam estar totalmente contentes ou à vontade quando, na verdade, não estão.
 
*Olhar intenso
Em geral, os indivíduos com esse tipo de transtorno de personalidade não possuem nenhuma dificuldade em manter um contato explícito no olhar, um olhar mais intenso, sem interrupção, aquele olhar vidrado manipulador. O ego do sociopata é alimentado pelo desconforto de quem está sob o poder dele. Se ele tenta intimidá-lo com olhares frios, vazios, desprovidos de qualquer remorso ou nervosismo, suspeite.
* Extremamente Manipuladores
O sociopata lentamente ganha domínio e controle sobre sua vítima sem que esta se dê conta. Ele gosta de estar no controle de todas as situações e evita o convívio com pessoas igualmente fortes. Voluntaria-se para fazer qualquer coisa a pretexto de ser útil, mas quer, na verdade, estar no controle. Ele tem um medo constante de acabar exposto. Quando está perto de alguém forte, ele tem medo de ser pego: vai guardar certa distância e, respeitando essa distância, tentará estabelecer um ligeiro contato com essa pessoa, com vistas a descobrir se foi notado por ela. Por outro lado, gosta de explorar as pessoas mais fortes de que é capaz sem acabar desmascarado. E, se acaba desmascarado, recorre aos trunfos que tem na manga ou simplesmente foge — sempre alegando uma desculpa esfarrapada. Muito desse domínio que o sociopata tem sobre a vítima é conquistado por meio de uma "guerra psicológica" cujo objetivo é torná-la dependente dele. Assim como um veneno, ele age enfraquecendo-a com o tempo. Imagina que, enquanto permanecer indetectado, ninguém poderá fazer nada contra ele.
*Ego excessivo
Outra característica comum nos sociopatas é que eles possuem uma percepção descomedida de si próprios. Isso significa dizer que eles são seres narcisistas ao extremo, que acabam culpando os outros por causa de suas falhas. Sociopatas têm delírios de grandeza, acham-se os maiores seres humanos do planeta. São impenetráveis a qualquer tipo de crítica e têm uma autoestima inflada. Além do quê, têm um senso irreal de merecimento: acham-se dignos de bens incríveis criados por outras pessoas, sem nunca pensar no bem-estar delas. Eles não se importam com os outros; só querem usá-los. Muitos sociopatas fazem um julgamento insensato das próprias habilidades — consideram-se excelentes cantores ou dançarinos, por exemplo, quando sua competência nessas áreas é nula. Essas opiniões são delirantes (tidas como verdade pelo sociopata) ou apenas mentiras que ele conta para compor a falsa personalidade com que tira vantagem das pessoas.
images (3).jpeg

*Comportamento de manipulação e mentiras em demasia.
Indivíduos sociopatas costumam manipular e enganar os que estão ao seu redor com muita frequência. Isso acontece porque eles gostam de medir o poder que exercem sobre as outras pessoas. Sociopatas também amam mentir a respeito do próprio passado. Tente identificar inconsistências nas histórias dele, observar se alguém que o conhece discorda totalmente da versão dos fatos que ele apresenta ou revela sem querer informações que ele tenta ocultar. Quando estão determinados, podem induzir alguém a fazer qualquer coisa. Esses indivíduos tiram vantagem dos mais fracos e tendem a evitar pessoas de força comparável à deles: estão sempre à procura de gente triste, insegura e que está em busca de um sentido na vida, pois sabem ser esses os alvos mais fáceis. Afinal de contas, uma pessoa de carências não supridas pode ser mais facilmente explorada por meio dessas carências. Tente avaliar se a pessoa é excelente em persuadir os outros a fazerem o que ela quer.
*Ausência de culpa, de vergonha e de remorso
Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais, indivíduos portadores desse tipo de transtorno de personalidade não sentem culpa, remorso ou vergonha. Sociopatas são capazes de vivenciar situações que seriam, para qualquer pessoa, extremamente comoventes sem demonstrar emoção alguma. Como não registram essas situações do mesmo modo que indivíduos normais, mal esboçam reação em circunstâncias perigosas ou amedrontadoras. Quando são pegos desprevenidos por notícias excelentes ou péssimas, reagem a elas com uma expressão vaga. Pesquisas demonstram que sociopatas não demonstram inquietação a imagens que são perturbadoras para a maioria das pessoas, nem quando recebem um aviso prévio de que serão sujeitos a um pequeno choque elétrico, enquanto que indivíduos normais expressam medo e ansiedade em tais situações.
*Não possuem muitos amigos
Em geral, podemos dizer que os sociopatas não possuem muitos amigos, pelo menos, não verdadeiros amigos. Isso porque eles não querem, a não ser nos casos em que necessitam deles. Isso também se aplica aos familiares: pode haver um problema com quem não tem contato com familiares ou nunca os menciona. Por óbvio, existem muitas razões para se evitar a família, como uma infância difícil. Averigue se há por parte do possível sociopata uma desconexão com o próprio passado. Quem não tem amigos do colégio, da universidade ou de conjunturas pregressas pode muito bem ser portador do distúrbio. Fique atento se ele relata repetidas traições ao longo da vida para explicar a falta de amizades e o histórico de relacionamentos fracassados. Isso pode acontecer, na verdade, porque, uma vez desmascarado, o sociopata procura uma outra vítima mais oportuna e abandona a antiga. Seu único desejo é lançar as vidas alheias ao caos.
*Abuso psicológico, mais especificamente gaslighting. 
Acostumado a mentir e enganar, o sociopata convence a vítima de que é ela a culpada pelos problemas que ele mesmo causou. No jargão médico, esse comportamento chama-se "projeção", que é uma das marcas mais inconfundíveis do transtorno de personalidade antissocial. Geralmente, o portador do distúrbio tenta por nos ombros da outra pessoa um mal que ele mesmo fez. Se ele é um mentiroso e o acusa de mentir, pode ser que você esteja lidando com um sociopata. Convencer as pessoas de que elas são loucas também é característico. O sociopata é capaz de levar suas vítimas às raias da loucura e depois convencê-las de que isso é uma falha que nada tem a ver com ele.
Se você tem um parente ou conhecido e observou alguns dos sintomas acima ajude os, oriente que consultem um psiquiatra.
Essas pessoas necessitam de tratamento e logo que são diagnosticadas.
 
                  
contador de visitas gratis
  Autor:   Débora Oliveira





Capa |  Caderno Feminino  |  Coluna Débora Oliveira  |  Mundo  |  Noticias  |  Saude  |  Turismo
Busca em

  
127 Notícias